Indústria 4.0: Conectando Máquinas e Produtos para Manufatura Inteligente

 

Indústria 4.0: Conectando Máquinas e Produtos para a Internet das coisas (IoT – Internet of Things) para Manufatura Inteligente

 

Em uma fabricação tradicional, ambas as linhas montagem de produtos sejam eles simples ou complexos, exigem interação humana para o sucesso. Essas interações incluem o monitoramento de parte dos níveis de estoque, garantindo que as máquinas sejam com a manutenção em dia, e identificar possíveis melhorias no processo. Ao aproveitar a Internet das Coisas (IoT) e utilizando etiquetas e tags de RFID (Identificação por Rádio Frequência) e leitores em ambos os produtos e máquinas, os fabricantes podem permitir habilitar a Indústria 4.0 – o termo inventado para fábricas inteligentes, onde processos físicos são monitorados e máquinas e produtos se comunicam e trabalham em conjunto, com os seres humanos e em tempo real. A Indústria 4.0 também permite que os fluxos de dados sejam coletados, dando aos fabricantes uma análise avançada para melhores decisões de negócios.

 

RFID é uma parte integrante da Internet das Coisas (IoT) e uma chave que habilita a Indústria 4.0. Com uma solução de RFID, os produtos são marcados e identificados e os leitores são colocados em torno de uma instalação ou incorporado em máquinas, permitindo aos fabricantes identificarem status e localização de seus produtos ou de um produto individual, automatizar processos, racionalizar a manutenção da máquina para evitar tempo de inatividade, e permitir personalizações de produtos baseados na preferência do cliente. O RFID pode ser facilmente integrado em rótulos de peças na sua origem, tornando a identificação ou a marcação do produto mais fácil. Com a utilização de Tags ou Etiquetas de RFID Passivo e com um longo alcance de leitura, os custos de integração são mais baixos do que outras implementações de RFID, tais como RFID Ativo.

 

Vamos dar uma olhada em um determinado setor, automotivo, para ilustrar como o RFID pode ser uma peça chave na capacitação da Indústria 4.0. Carros são itens complicados de se produzirem. A estrutura é trazida para a instalação e colocada sobre um transportador, e lentamente puxada através da linha de montagem. De lá, as peças são adicionadas (portas, motor, vidros, assentos, eletrônicos e muito mais). Estas peças devem ser localizáveis dentro de uma instalação e colocadas em uma cadência just-in-time, que garante que a linha não pare. Com as partes identificadas com RFID, fabricantes podem monitorar os níveis de estoque e garantir que os itens são reabastecidos a tempo, reduzindo assim os custos indiretos.

 

Como um produto com uma identificação com RFID se move através da linha de montagem, encontra dezenas de interações com máquinas. Se identificado com uma etiqueta ou Tag de RFID, o status do produto pode ser atualizado a cada etapa do processo de montagem. Com esta informação, os fabricantes podem monitorar o status de um produto específico e como ele se move através da instalação ou de seu processo produtivo.

 

Produtos identificados com RFID também dão flexibilidade aos fabricantes. Em vez de ter que configurar máquinas para construir uma variação de um produto de cada vez, as máquinas podem ser programadas para construir centenas das configurações. Um produto com RFID pode então identificar o que é necessário ser personalizado, permitindo que a máquina possa executar a operação necessária em uma base por-produto.

 

Outro benefício para as montadoras é a gestão de recall. Quando os produtos e peças estão identificados com RFID, partes específicas podem ser associadas ao produto na qual foi instalada. Isso dá uma maior visibilidade em uma linha de produto, permitindo que os fabricantes de automóveis possam identificar os produtos específicos que contenham as peças que necessitam de recall, não sendo necessário fazer recall em todos os produtos, apenas nos que realmente estão com as peças com defeito.

 

Além dos muitos benefícios da utilização de RFID em processos produtivos, tornando possível a Indústria 4.0, como permitir a comunicação entre produtos e máquinas, bem como reabastecimento em tempo real, configurações flexíveis de manufatura e gestão de recall, os fabricantes também podem aproveitar da infraestrutura do RFID para coletar dados valiosos em suas instalações. Com estes dados, os fabricantes podem obter, pela primeira vez, os dados de produção muito precisos, o que lhes permite identificar os pontos na linha de produção, onde ocorrem os gargalos. Eles também podem usar esses dados para prever os tempos de máquina, permitindo-lhes fazer a manutenção preventiva.

 

É importante lembrar que a Indústria 4.0 não irá substituir trabalhadores. Em vez disso, ela ajuda o movimento da força de trabalho em posições mais qualificadas ao invés de fazer montagem básica de produtos ou monitorar uma única máquina. Os trabalhadores poderão gerir várias máquinas ao mesmo tempo, e utilizar os dados coletados para melhorar ainda mais os processos em toda a instalação.

 

Como os fabricantes começam a implantar RFID globalmente, fábricas inteligentes vão se tornar o modelo padrão para a fabricação, impulsionar negócios, reduzindo custos e aumentando a eficiência. E os dados recolhidos com essas implantações darão novas perspectivas sobre os processos de negócios que terão um impacto ainda mais amplo no negócio global.

 

Fonte:

www.Impinj.com

www.Impinj.com/blog/

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *